O índice, revelado pelo relatório ‘Em Perigo’, é considerado alto, já que há tratamento eficaz para pessoas que vivem com o HIV

O relatório, intitulado ‘Em Perigo’, revela que uma pessoa morreu a cada minuto, totalizando 650 mil mortes por complicações causadas pela Aids no ano passado. As informações são da Agência Aids.

Essa realidade ocorreu apesar de haver tratamento eficaz para o HIV e ferramentas para prevenir, detectar e tratar infecções oportunistas.

Desigualdade

As disparidades acentuaram-se dentro e entre países nos dois anos da pandemia. O relatório enfatiza que a crise vem atrasando o progresso na resposta ao vírus que provoca a Aids e está ampliando ainda mais as desigualdades.

Em termos de novas infeções, mulheres jovens e meninas adolescentes foram afetadas de uma forma desproporcional. Uma infecção ocorreu a cada dois minutos durante o ano passado.

A realidade da Covid-19 combinada a outras crises globais deteve o progresso ao diminuir os recursos e a ação contra o HIV “colocando milhões de vidas em risco”, destaca o documento lançado antes do início da Conferência Internacional da Aids nesta sexta-feira em Montreal, Canadá.

O Unaids enfatiza que o mundo não deve seguir na atual trajetória de queda de novas infecções. Entre 2020 e 2021 a queda foi de 3,6%, o menor declínio anual em novas infecções desde 2016.