Mais uma vacina contra a covid-19 terá testes realizados no país. O imunizante será o do laboratório chinês Sinopharm, que segue duas linhas de pesquisa distintas, uma utiliza vírus atenuado e a outra vírus geneticamente modificado, segundo o governador do Paraná Carlos Massa Ratinho.

A parceria com o Estado é técnica e científica, conforme informa a Secretaria de Saúde, e será realizada por meio do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná). Ratinho afirmou, por meio de nota, que um grupo de trabalho com a Sinopharm será formado para definir detalhes técnicos, como a elaboração do termo científico regulatório.

O Paraná será incluído na terceira fase de testagem da vacina que começou este mês nos Emirados Árabes Unidos com 15 mil voluntários. Segundo a Sinopharm, a vacina obteve 100% de aprovação nas primeiras fases de teste e não demonstrou reações adversas graves.

O presidente da Tecpar, Jorge Callado, afirmou, por meio de nota, que “é de fundamental importância a participação das universidades públicas e da Secretaria da Saúde para construir tecnicamente um protocolo de validação que atenda aos aspectos regulatórios.”

O governo do Paraná pretende realocar R$ 100 milhões do orçamento da Secretaria de Saúde de 2021 para a aquisição de vacinas contra o novo coronavírus.

Outras três vacinas estão sendo testadas no país. A desenvolvida pela universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, que utiliza a tecnologia de adenovírus e proteínas do coronavírus, a Coronavac, desenvolvida pela Sinovac Biotech, que utiliza a tecnologia de vírus inativado, e a da Pfizer e BioNTech, com previsão de início dos testes no país para agosto, que utiliza a tecnologia de RNA mensageiro.

A Sinopharm e o governo do Paraná esperam enviar dentro de 15 dias pedido à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para a realização do teste, segundo a Reuters.

A vacina pode estar pronta para aplicação na população até o final deste ano, ainda de acordo com a Reuters. O acordo da Sinopharm com o governo do Paraná também prevê a transferência de tecnologia para produção própria, caso a vacina seja aprovada para uso, afirma a Reuters.

A Reuters ainda informa que, além do acordo com a empresa chinesa, o Paraná também iniciou negociações com o governo da Rússia para uma possível parceria na produção de uma vacina desenvolvida naquele país.

 

 

Fonte: The Good News Coronavirus