Morreu na manhã desta terça-feira (3), em São Paulo, o grande ativista José Araújo Lima Filho, coordenador da Epah (Espaço de Prevenção e Assistência Humanizada), instituição que trabalha com crianças e adolescentes vulneráveis ao HIV e seus familiares. Entusiasta da luta contra a aids, ele trabalhava diretamente com pessoas vivendo com HIV/aids desde 1991, reinserindo crianças com HIV institucionalizada em suas famílias. Sua morte comoveu militantes de todo o Brasil. Em nota, o Fórum das ONG/Aids do Estado de São Paulo (Foaesp) manifestou pesar pelo falecimento.

Ao longo dos últimos 30 anos sua atuação em defesa das pessoas que vivem com HIV e aids, pela valorização do SUS e em favor das populações mais vulneráveis foram marcas que deixaram imenso impacto na luta contra a aids no Brasil. Vinculado ao GIV (Grupo de Incentivo à Vida) desde sua fundação, foi um dos mais importantes entusiastas da RNP+ Brasil, em 1995; também foi coordenador geral da Associação François Xavier Bagnoud do Brasil (AFXB) e ultimamente era diretor do EPAH – Associação Espaço de Prevenção e Atenção Humanizada, além de ser um dos coordenadores do Movimento Paulistano de Luta contra a Aids (Mopaids).

Nacionalmente representou a região sudeste na Comissão Nacional de Aids do Ministério da Saúde (Cnaids) e o segmento dos usuários junto a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), onde chegou a ser vice-coordenador, entre outras atuações. No âmbito internacional realizou diversas parcerias com organizações do Japão, proporcionando trocas de experiências de prevenção e autocuidados entre os brasileiros lá residentes, os decasséguis, que constituem o quarto maior contingente de estrangeiros residente naquele país.

Questionador, posicionado, polêmico, entusiasmado, Araújo foi presente nas grandes lutas pela saúde pública nas últimas décadas. Juntando o cuidado com o atendimento local, visava também o acompanhamento internacional das grandes questões que envolvem a Aids atualmente. A verve que adquiria diante de um microfone, gritando por direitos e denunciando irresponsabilidades, se complementava com o sorriso amigo com que recebia os pares, distribuindo solidariedade por onde passava. Mesmo internado há quase três semanas, conservava seu estilo acompanhando as movimentações políticas enquanto se preparava, com coragem, para o enfrentamento dos desafios que viriam.

“Perdemos um grande ativista, alguém que levantava oposições, mas que impunha respeito pela história e capacidade crítica. Neste momento em que a necessidade de resistência organizada se impõe, sua ausência deixa um grande vácuo e nos impulsiona a renovar nossa capacidade de união, mesmo nas divergências, e seguirmos na luta por dias melhores”, diz nota do Foaesp.

O velório será nesta quinta-feira (5), a partir das 7h, no Cemitério São Pedro. A cerimônia de cremação está agendada para o mesmo dia, as 10h15, no Vila Alpina.

Confira a seguir as homenagens de amigos, ativistas e gestores de todo o Brasil:

 

Américo Nunes Neto – fundador do Instituto Vida Nova

“Pra quem conheceu o Araújo, era uma pessoa muito simples, fazia o bem sem olhar a quem e tinha uma preocupação com o ser humano fantástica, independente de sorologia ou não. Muito conhecimento, propriedade. Além de perdermos uma pessoa querida, perdemos um grande ativista que realmente sabia discutir toda a nossa política e necessidade frente às questões de viver e conviver com o HIV/aids. Que descanse em paz! Ele cumpriu a missão dele com muita honestidade e sabendo com muita clareza qual era o papel dele enquanto ativista, enquanto amigo. Que ele ilumine nossos caminhos e nos dê força para continuar nessa luta.”

 

 

Silvia Almeida – representante do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas no Estado São Paulo e consultora do Programa Conjunto sobre HIV/aids das Nações Unidas (Unaids).

“Deixo aqui minha mais sincera gratidão por Araujo. Obrigada por ter sido este ativista ímpar e  dedicado a nossa causa e às nossas vidas meu querido! Siga em paz, sua missão foi lindamente realizada!”

 

 

 

Harley Salvador – Coordenador Geral do Fundo Positivo

“Conheci o Araujo quando, no começo dos anos 90, enquanto diretor do GAPA Bahia, o convidei para ser um dos personagens reais da primeira campanha de mídia a ser realizada no Brasil com testemunho de pessoas vivendo e convivendo com HIV/aids. Naquele momento, o Araujo contribuía para a visibilidade e quebra de estigma das pessoas vivendo, compartilhando sua história pessoal que depois se tornou uma referência mundial como um brilhante ativista no campo dos direitos humanos das pessoas vivendo com HIV! Araujo fez uma linda história com sua vida!”

 

 

 

Rodrigo Pinheiro – Presidente do Fórum das ONG/aids do Estado de SP

“Perdemos um ativista aguerrido, de posições fortes e combatente”.

 

 

 

 

Cláudio Pereira – Presidente do Grupo de Incentivo à Vida (GIV)

“O Araújo é uma grande perda para o movimento de luta contra Aids. Ele sempre foi uma pessoa extremamente atuante e engajada. Ele participou ativamente de vários processos, entre eles o de desinstitucionalização de crianças da casa de apoio que ele dirigia (AFXB). Antes já havia sido presidente do GIV, numa época que os antirretrovirais eram limitados. Deixará um grande legado de luta.”

 

 

 

Beto de Jesus – Country Program Manager da Aids Healthcare Foundation (AHF)

“Araújo era uma pessoa amorosa e extremamente bem humorada. Quem não conhecia achava o contrario. Uma pessoa que colocou sua vida para uma causa. Tinha uma generosidade ímpar. Vai deixar saudades. Mas deixa também um legado e nos insta a seguir no enfrentamento ao HIV/aids. Araújo vive e viverá na nossa luta!”

 

 

 

Mário Scheffer – Professor Doutor do Departamento de Medicina Preventiva da USP

“ Estou muito triste . Não é só a perda de um companheiro de tantas lutas , é a morte de um jeito único de fazer ativismo. Araújo nunca se curvou nem se entregou. Arrojado, polêmico, irredutível diante das omissões dos governos e das falhas das políticas. Fez diferença na luta contra a aids. E deixa um imenso vazio na nossa geração dos ativistas pioneiros, que faziam da denúncia e da crítica um poderoso instrumento de defesa de direitos.”

 

 

 

Maria Clara Gianna – Coordenadora do Programa Estadual de DST/aids SP

“Conheço o Araújo há 25 anos, tenho quase certeza que nos encontramos em uma reunião pela primeira vez em 1994. Araújo foi um dos ativistas que ajudou a construir a resposta à aids no município de São Paulo, no Estado e no Brasil. Em vários momentos tivemos discussões acaloradas, em memoráveis momentos estivemos juntos!! Araujo, você vai fazer muita falta para todos nós, você vai fazer muita falta na resposta a Aids no nosso país!!”

 

 

 

 

Maria Cristina Abbate – Coordenadora do Programa Municipal de DST/aids de SP

“Araújo foi um grande defensor do SUS e intransigente na defesa dos direitos humanos. Grande parceiro do Município, acompanhando atentamente a gestão pública e os serviços especializados, principalmente, na região sul, aonde estava sediada sua organização. Uma pena! Mas suas demandas pela qualidade da atenção às PVHA sempre estarão presentes no nosso campo de atuação.”

 

 

 

 

Falecimento de José Araujo Lima Filho

É com profunda tristeza que lamentamos o falecimento do ativista Jose Araujo Lima Filho, conhecido simplesmente por Araujo. Um militante ímpar que lutou incansavelmente para ampliar e manter os direitos das pessoas que vivem com HIV no nosso país.

Publicado por Agência de Notícias da Aids em Terça-feira, 3 de setembro de 2019

 

Redação Agência de Notícias da Aids