25/07/2018 - 05h24
Aids 2018: Movimento de aids protesta contra conferência de São Francisco em 2020, nos Estados Unidos

As recentes notícias sobre separação de famílias de imigrantes, detenções e segmentação de profissionais do sexo e comunidades LGBTQ, guerra contra as pessoas que usam drogas e as fronteiras fechadas dos Estados Unidos, mobilizaram o movimento social na tentativa de impedir que a próxima Conferência Internacional de Aids aconteça em São Francisco no ano de 2020.

Em Amsterdã, 11 redes globais e mais de 60 organizações de direitos humanos, incluindo todas as redes nacionais de pessoas vivendo com o HIV, fortemente criticadas e contrárias à decisão, pedindo que o IAS anuncie imediatamente sua decisão de realocar a conferência.

“A decisão de levar a Conferência Internacional de Aids aos EUA em 2020 reflete um grande desrespeito aos pedidos de gays, pessoas que usam drogas e profissionais do sexo de que a conferência seja sediada em um país onde nossa participação seja possível. Além disso, a escolha da Bay Area, literalmente um dos lugares mais caros do mundo, ressalta uma crescente divisão no movimento de aids entre a elite da saúde pública e os defensores da comunidade ”, disse George Ayala, diretor executivo do MPACT Global Action for Gay. Saúde e Direitos do Homem, com sede em Oakland, Califórnia.

Os EUA foram os anfitriões da Conferência Internacional de Aids em 2012. Naquela época, embora o clima político dos país fosse mais favorável aos direitos humanos, redes globais de profissionais do sexo foram forçadas a organizar uma conferência alternativa, que aconteceu em Kiev, na Ucrânia.

Os ativistas argumentam que os Estados Unidos não são seguros para imigrantes, negros e comunidades LGTBQ. Além disso, eles observam que a obtenção de vistos para o país será um grande desafio para as comunidades mais afetadas pela epidemia global de HIV, como resultado das proibições de viagens a ex-trabalhadoras sexuais, pessoas que usam drogas, pessoas que vivem em países muçulmanos e um histórico emergente de detenções de ativistas de direitos humanos nas fronteiras.

“São de longa data, atos de discriminação e violações de direitos humanos contra negros, imigrantes, pessoas trans, pessoas LGBT, pessoas com deficiência e outras populações-chave estão aumentando rapidamente. Talvez o IAS não compreenda que nada – incluindo o estado de direito, acordos internacionais, ação política ou padrões de civilidade – esteja atualmente restringindo a escalada de violência federal ou de vigilantes contra nossas comunidades ”, disse Larry Walker, da Rede de Homens Negros Gays Vivendo com HIV em Atlanta, Geórgia.

“Hospedar a Aids 2020 na Califórnia, que já se tornou um alvo da administração Trump, vai contra os valores da própria ONG Internacional de ser inclusiva, focada em direitos humanos e baseada em evidências. Uma conferência baseada nos EUA durante um ano eleitoral politizado será inacessível e exporá nossas comunidades a graves danos ”, completa.

“Nenhum ato de boa vontade do IAS, de sua rede ou mesmo de membros individuais do Congresso dos EUA pode garantir a aprovação de vistos. Eles também não podem prevenir detenções, interrogatórios, intimidação ou exposição à violência e aos danos uma vez nos EUA ”, disse Naina Khanna, diretora executiva da Positive Women’s Network-USA, uma rede nacional de mulheres vivendo com HIV que vive em Oakland, CA.

Os ativistas pedem que o IAS se reúna com membros da sociedade civil em Amsterdã para que possam fazer parcerias a fim de que a conferência seja acessível para as comunidades mais afetadas pelo HIV.

Uma declaração está aberta para assinaturas de indivíduos e organizações. Clique aqui para assinar: bit.ly/AIDS2020SignOn

 

Para mais informações

Twitter: # AIDS2020ForAll no twitter

Site: aids2020forall.org

 

Redação da Agência de Notícias da Aids

A Agência de Notícias da Aids cobre a Conferência em Amsterdã com o apoio do Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde, do Condomínio Conjunto Nacional e da Associação Paulista Viva.

notícias relacionadas

Protagonismo trans no audiovisual é tema de cine debate ‘Luz, Câmera, Zero Discriminação’, no CINUSP, em SP

18/06/2019 - 10h33

No clima das celebrações que antecedem a Parada LGBTI de São Paulo, o CINUSP Paulo Emílio, no campus USP Butantã, receberá, nesta terça-feira (18), às 14h, uma sessão especial de cine debate com exibição do webdocumentário Luz, Câmera, Zero Discriminação, sobre a importância do protagonismo trans e travesti no audiovisual. A sessão terá também a […]

Leia mais

Confira os destaques sobre saúde e sexualidade dessa terça-feira (18)

18/06/2019 - 09h36

  Soldado é dispensado após Exército descobrir que ele tem HIV: ‘Me senti um lixo’ Novo estudo não encontra relação entre risco de infecção pelo HIV e contraceptivos com progestógeno Veneno de escorpião contêm antibiótico para a tuberculose   Pastora LGBTQ+ ensina como é possível conciliar sexualidade e religião

Leia mais

Boa Notícia: em pouco mais de um ano, Hospital de Santarém faz 41 partos de mães com HIV e bebês não são infectados

17/06/2019 - 19h53

Mês com maior incidência foi em abril deste ano, com seis registros. 80% dessas mulheres têm idade entre 20 e 40 anos.

Leia mais

Cascata Arco-Íris no Parque Mario Covas abre contagem regressiva para a realização do Camarote Solidário e da 23ª Parada LGBTI+ de São Paulo

17/06/2019 - 19h52

A “Cascata Arco-Íris”, um dos símbolos de que a Parada do Orgulho LGBTI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexo) de São Paulo está próxima, foi montada nesta segunda-feira (17), na entrada principal do Parque Prefeito Mario Covas, na Avenida Paulista. Criada em 2006 pelo artista plástico Otávio Donasci, a obra traz as cores da diversidade e representa alegria.

Leia mais

Apoio

SENACUNAIDSLá em Casa

Apoio Institucional

OABMLMSaber ViverSoropositivo.orgSindicatoCidadão Sustentável