Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2018

 
 
 


Agência Aids e Barong realizam testagem rápida para HIV em plena folia de Carnaval em UbatubaAgência Aids e Barong realizam testagem rápida para HIV em plena folia de Carnaval em Ubatuba

13/02/2018 -19h40

Quase 100 foliões participaram nessa sexta e sábado, 9 e 10 de fevereiro, da ação de testagem para o HIV na praia do Perequê-Açu, em Ubatuba, e outras centenas foram presenteados com camisinhas, gel lubrificante, chucas (In-M) e materiais informativos. Entre uma marchinha e outra, todos puderam conhecer de perto a van-consultório do Instituto Cultural Barong e tirar dúvidas sobre sexo seguro e saúde sexual. A ação foi uma iniciativa da Agência de Notícias da Aids e aconteceu em parceria com o Barong, a Prefeitura de Ubatuba, do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids de São Paulo, a AHF Brasil (Aids Healthcare Foundation) e a empresa 3Albe. Essa foi a primeira vez que a cidade ofertou testes rápido de HIV na folia. Nos dois dias de "Prevenção e Testagem na Folia", foram disponibilizados 4 mil preservativos masculinos, 2 mil camisinhas femininas, 500 saches de gel lubrificante e folders, além das camisinhas de sabores e texturas da marca Prudence.

De acordo com o Ministério da Saúde, a cada 100 mil brasileiros, 18 são soropositivos. Apesar da incidência ter diminuído 5,2% entre 2015 e 2016, hoje, cerca de 830 mil pessoas estão vivendo com HIV, sendo que 112 mil desconhecem o diagnóstico.

Hoje, a prevenção ao HIV/aids inclui uma série de métodos que vão além das camisinhas masculina e feminina. Entre eles, os medicamentos das Profilaxias Pré-Exposição (PrEP) e Pós-Exposição (PEP), e o teste de HIV. 

O Ubatubaguide, guia de informações sobre as praias da cidade informa que a praia do Perequê-Açu é “popular e frequentada o ano inteiro”. Neste fevereiro de 2018 foi escolhida pela gestão municipal como ponto para atrair e receber os turistas e moradores da cidade que gostam de se divertir, cantar e dançar nos diferentes blocos durante uma das mais importantes festas populares que o Brasil e o mundo assistem encantados: nosso Carnaval. Por isso montamos a plataforma de informação, testagem e prevenção por lá. A van-consultório idealizada por Marta McBritton, competentemente operada pela equipe do Barong fez sua estreia em Ubatuba, neste fevereiro de 2018. Amável, cordial e querendo ajudar no que fosse possível o pessoal da Barraca do Mimi, particularmente a Giorgina Bonfiglioli, responsável pelo negócio há cinco anos, se prontificou a emprestar o ponto de luz, o banheiro e tudo mais o que fosse necessário para que o trabalho acontecesse .

“Eu acredito que esta é uma ação superimportante por aqui. Depois do Carnaval, muitas adolescentes viram mães. Não é legal ter uma renca de filhos e nem alguma doença, sendo que a gente pode evitar, não é mesmo?”, sensível e lúcida a percepção de Giorgina. Informação sobre saúde sexual e reprodutiva, prevenção e empoderamento feminino já na adolescência, previne situações complexas na vida das meninas. Independente de cor, classe social, credo e orientação sexual.

Sérgio, Marta e Silmara: ativistas do Blablablá Posithivo apoiando a ação;

Com esta mesma receptividade, os técnicos da Secretaria Municipal de Saúde, Maria do Loreto, a supervisora da Vigilância Epidemiológica, foram solícitos e desde o início dos contatos, abertos para estabelecer parceria. Testagem rápida para detecção da infecção pelo HIV, os profissionais de saúde da cidade, já haviam realizado. A novidade foi a ação acontecer em plena folia.  Claro, causou certo frio na barriga e apreensão. O número de ocorrências em saúde costuma aumentar durante os feriados. Sobrecarregar o atendimento na Santa Casa, onde é oferecido o serviço de Profilaxia Pós-Exposição , necessitaria de uma infraestrutura maior. Desafios que foram contornados com o apoio técnico dos profissionais do CRT/Aids de São Paulo que prontamente se dispuseram a ajudar. Particularmente  da Dra. Maria Clara e Arthur Kalichman que não economizaram empenho e disposição em ajudar a realizar o trabalho. Silmara Retti e Sérgio Rossi, da ONG Blablablá Posithivo de Ubatuba também  se prontificaram imediatamente a apoiar a ação. Da mesma forma que Sônia Fioratti, interlocutora de IST/Aids do grupo de Vigilância Epidemiológica de Caraguatatuba, e da jornalista Elaine Pinho, responsável pela assessoria de imprensa da atual gestão municipal. 

Logística da ação

Em cerca de quarenta e cinco minutos, Fernanda Guidolin ,Vera Lúcia Oliveira, Welton Gabriel dos Santos, a Marta, a Talita Martins que, “em momento exclusivo baronguete” participou ativamente não só cobrindo o evento, conseguem colocar a estrutura em pé. Ação rápida, orquestrada e organizada. Espalham os bancos, organizam as fichas por números, armam a barraca fechada para ter privacidade na divulgação do diagnóstico. Ligam as luzes, colocam os banners orientando sobre o que vai acontecer, montam microfone, a caixa de som. Cuidadosamente, Fernanda sobe em cima da van. Monta  e liga o preservativo inflável que, iluminado, chama atenção de todos os foliões. Tudo pronto.

Equipes do Instituto Cultural Barong e da Agência Aids antes do primeiro dia de testagem;

Sem o apoio da AHF do Brasil e da 3 Albe, a ação não  teria sido possível. Tem que pagar o pedágio, o óleo diesel da van, as diárias da equipe envolvida. Tudo custa dinheiro. Isso fora o que foi gasto e o tempo empenhado até aqui para que o Barong voltasse às ruas de São Paulo, às “Terças Trans”, ao Largo do Arouche, a muitos pontos que já percorreu e percorrerá, graças a apoios construídos anteriormente. Aqui, deveríamos abrir um parágrafo para que McBritton contasse os empenhos e costuras feitas. Os inúmeros, “vamos ver”, “quem sabe ano que vem”, “este ano o budget(orçamento) já está comprometido” que recebeu ao mostrar o projeto e sua intenção e os bem-vindos e importantíssimos apoios e “sims” que conseguiu  garimpar para colocar em pé a van consultório itinerante. Projeto  vanguarda e inovador concebido por Marta e a equipe de “baronguetes” a partir de São Paulo que, com mais “sims” do que “nãos”, a cada ação vai caminhando, espalhando informação, saúde, acolhimento, cidadania e solidariedade pelo Brasil, pelo mundo! Caetano já ensinou com sua música. “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é !”  Espero que Marta e sua equipe saibam mais o que são as delícias. As dores, conhecem bem, e como!

Na dispersão dos blocos, distribuição de insumos e prevenção;

Voltemos à ação. Tudo pronto. Aos poucos as pessoas vão se aproximando. Interam-se do que está acontecendo. Param em frente ao banner. Leem,  se informam. São convidadas a fazer o teste. Tiram dúvidas, perguntam muito. São ouvidas, esclarecidas, acolhidas e recebidas com carinho, respeito e amor. Faz toda diferença. Tudo com a maior discrição e respeito. Preenchem o formulário. “Cidade, Estado... idade... ocupação principal... escolaridade... já iniciou sua vida sexual ? ... com que idade? Tem parceiro, parceira sexual? Nas suas relações sexuais, em quantas você usa camisinha?”

Conversam bastante. Falam de suas vidas, medos, questões e momento atual. Entram na van e realizam o teste de saliva.  Entre fazer a ficha e o resultado final, esperam uns 20  minutos. Nem sempre a  mesma pessoa que fez a ficha dá o resultado. Depende do que cada um na equipe está fazendo no momento. “Ufaaaa”. “Desta vez eu escapei”. “Já tinha feito o teste antes, mas é sempre bom repetir”, algumas das reações . No primeiro dia foram realizados 30 testes. No segundo, 45. Total de 75 pessoas testadas. Todos negativos. Outro, “ ufaaaaaaa”.

Quando o resultado é positivo, a pessoa é informada, acolhida e orientada. Muitas vezes sai  já  com a consulta marcada para o serviço especializado. No caso de negativo, recebe imediata orientação sobre  a prevenção combinada: o uso de  PrEP, PEP, além da camisinha.

Foi assim depois de muita costura, empenho, articulação e vontade política de todos os envolvidos, que a cidade de Ubatuba viveu um Carnaval ousado e cidadão. Mais solidário, saudável e acolhedor. Semente e energia do bem lançadas para, quem sabe, ajudar a melhorar o atendimento, acolhimento, tratamento e vida das pessoas que vivem com aids, na linda e lúdica Ubatuba. A cidade, por enquanto, conta com o trabalho de uma equipe comprometida e engajada sob os cuidados de apenas um infectologista, Dr. Fernando Bergel, que explica tudo com “simplicidade e clareza”, me relatou um paciente. Muito querido por todos e atende toda a cidade.

Confira a galeria de fotos:

Toda a equipe se movimenta para organizar a estrutura;

Um close da Fernanda antes de montar a estrutura;

Vera concentrada na arrumação;

Welton organizando os insumos de prevenção para registro fotográfico;

Fernanda ensinando didaticamente como o teste é feito para a criançada que brincava o Carnaval: informação sobre prevenção desde cedo!;

“Silmara, como estão sendo atendidas as pessoas com HIV na cidade?";

“Talita, explique para nós a diferença de Pep e Prep”;

Secretaria Municipal de Saúde disponibilizando informações;

Maria do Loreto veio prestigiar a ação;

O pessoal da Saúde aqui também tem um preservativo inflável muito simpático!;

Não me perguntem “como”? Mas Talita  e Marta ainda conseguem energia para dançar um pouco uma marchinha em plena madrugada!;

Equipe trabalhando a todo vapor;

Luzinete mandou ver na cozinha e alimentou a equipe antes e depois das ações;

Huummmm, muito bom!; 

Foi muito legal, obrigada a todos e todas que nos ajudaram a viabilizar o trabalho: testagem rápida acontece pela primeira vez  no Carnaval em Ubatuba, Litoral Norte de São Paulo.

Agência de Notícas da Aids, Roseli Tardelli com texto inicial de Talita Martins

A Agência Aids viabilizou a ação em Ubatuba com o apoio  da  AHF do Brasil, 3Albe, CRT Aids de São Paulo e Prefeitura de Ubatuba