Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018

 
 
 


Pílula anti-HIV está disponível na rede pública de Porto Alegre Pílula anti-HIV está disponível na rede pública de Porto Alegre

12/01/2018 12h30

Já está disponível na rede pública de saúde de Porto Alegre o medicamento que, por meio de um comprimido por dia, previne a infecção pelo HIV. Esta é a primeira vez que o Ministério da Saúde disponibiliza a profilaxia pré-exposição (PrEP). O remédio, usado para tratamento, passará a ser adotado para prevenção de pessoas com o risco elevado de infecção.

A capital gaúcha foi a única cidade do estado escolhida para integrar essa fase do programa. O tratamento será ofertado a pessoas que não têm o vírus HIV, mas que estão mais expostas à infecção, como profissionais do sexo e casais sorodiscordantes - quando apenas um dos parceiros é soropositivo. Também estão no grupo homens que fazem sexo com homens, gays, travestis, transexuais e transgêneros.

Para receber o medicamento, o paciente passará por uma avaliação para verificar o quão exposto ele está ao vírus. A pílula deve ser ingerida diariamente e, segundo o Ministério da Saúde, o uso correto reduz o risco de infecção por HIV em mais de 90%.

O truvada não tem qualquer efeito sobre outras infecções sexualmente transmissíveis, como sífilis, gonorreia, HPV, hepatite B, além de também não prevenir a gravidez. O uso do remédio não substitui o preservativo nas relações sexuais.

O medicamento é uma combinação farmacológica de duas substâncias ativas: enmtricitabina (FTC) e fumarato de tenofovir desoproxila (TDF). Países como Estados Unidos, Canadá, França e Reino Unido também adotaram a PrEP. O Brasil, no entanto, é um dos poucos que oferecerá a terapia no serviço público de saúde.

Além de Porto Alegre, o medicamento já está disponível em outras cidades brasileiras, como Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Manaus, Brasília, Florianópolis, Salvador e Ribeirão Preto. De acordo com o Ministério da Saúde, o programa será gradativamente expandido para todo o país. Além do SUS, o medicamento deve ser comercializado na rede privada.

Em Porto Alegre, os pacientes podem buscar tratamento no Centro de Saúde Santa Marta, no Centro Histórico e no Centro de Saúde IAPI, no bairro Passo d'Areia, na Zona Norte. Quem reside em outra cidade devem se dirigir ao serviço da Secretaria Estadual da Saúde no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) do Hospital Sanatório Partenon, na Zona Leste.

* Centro de Saúde Santa Marta: Rua Capitão Montanha, 27/5º andar, Centro Histórico

* Centro de Saúde IAPI: Rua Três de Abril, 90, Passo d'Areia.

* Centro de Testagem e Aconselhamento: Avenida Bento Gonçalves, 3722

Que medicamento é esse?

O Truvada é uma combinação em um único comprimido de duas drogas antigas já usadas no tratamento do HIV - o tenofovir associado à emtricitabina - e evita a infecção naqueles que ainda não foram contaminados pelo vírus.

O medicamento não barra a entrada do vírus no organismo, mas age no seu processo de multiplicação dentro das células de defesa. É esse uso da máquina humana pelo HIV que, ao longo dos anos, destrói o sistema imunológico do indivíduo.

Quando tomado ininterruptamente, o medicamento bloqueia uma enzima chamada transcriptase reversa e, ao fazer isso, quebra o processo de reprodução do vírus dentro das células.

O medicamento demora, em média, sete dias para fazer efeito nos homens e 20 dias nas mulheres, segundo o Ministério da Saúde. Portanto, sexo sem proteção nesse período com uma pessoa infectada pode gerar contaminação.

O remédio também não pode ser abandonado de uma hora para outra. A recomendação é que seja tomado ainda por quatro semanas após a última relação sem preservativo, para evitar a possibilidade de infecção.


 

Fonte : G1