Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

 
 
 


DIA DOS PAIS: Ao dar à luz, Alexandre Peixe descobriu o amor incondicional entre pai e filhaDIA DOS PAIS: Ao dar à luz, Alexandre Peixe descobriu o amor incondicional entre pai e filha

12/08/2017 – 13h

Ele já foi chamado de mãe, de pãe (pai e mãe) e hoje é pai biológico de Bruna, com 26 anos, e avô da Mariana, de 4 anos. Conheça a seguir a história do ativista Alexandre Peixe dos Santos, o Xande, que se divide entre a paternidade e a luta pela garantia dos direitos de homens trans no Brasil.

Alexandre, de 45 anos, é um homem trans e engravidou aos 19, depois de sofrer um estupro 'coletivo' e 'corretivo', no interior de São Paulo. Na época, ele se identificava como “lésbica masculinizada” e nunca pensou em engravidar. "Quatro homens me atacaram e me bateram, eles queriam me dar uma lição."

Dias depois, Xande descobriu que estava grávido. "Foi estranho, afinal homens não engravidam, não quis abortar por uma decisão pessoal e não sou contra o aborto. Seguir com a gestação foi a melhor e a mais desafiadora decisão da minha vida, a Bruna mudou a minha trajetória."

 

Questionado sobre o que é ser pai, Xande diz que não há um manual de instruções, você aprende no dia a dia. Engana-se quem pensa que ele teve dificuldades para trocar fraldas, pegar no colo e cuidar do bebê. O problema mesmo foi com a amamentação de Bruna. A Organização Mundial da Saúde recomenda que os bebês sejam amamentados até os dois anos ou mais, associado à alimentação complementar saudável. Xande não estava preparado para este momento.

"Levei um susto na maternidade quando a Bruna começou a chorar e a enfermeira me perguntou se eu já tinha amamentado ela. Respondi prontamente que não e que ninguém havia me entregado a mamadeira. Mais tarde descobri que era possível retirar o leite do peito através de uma bombinha e dar a ela, foi desta forma que a minha filha foi amamentada até os seis meses de idade."

Educação

Os anos passaram, Bruna cresceu e cresceu também a responsabilidade de educar a filha da melhor forma possível, o amor entre eles só aumentava. "Sempre tive uma relação tranquila e de cumplicidade com ela, nunca escondi a minha identidade de gênero. Em casa, a palavra homem trans não existe, sou o pai Xande, o avô Xande e o homem da casa."

Além de Bruna, Xande criou a irmã mais nova, Celina, e ela também o chama de pai. “Minha irmã é mãe e sua filha me chama de avô. Elas são a minha família e me sinto privilegiado pela oportunidade de compartilhar os melhores momentos da vida ao lado delas. ”

Transição

Bruna acompanhou, por exemplo, o processo transexualizador do pai. "Eu sempre fui homem, mas não sabia muito sobre transgêneros. Me reconheci como homem trans há oito anos, quando passei a tomar hormônio. Na época, eu estava deixando a presidência da APLGBT (Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo) e passei a participar de grupos para debater mais sobre as questões dos homens trans."

Membro do IBRAT (Instituto Brasileiro de Transmasculinidade), Xande é o primeiro homem transexual brasileiro a realizar procedimentos cirúrgicos financiados exclusivamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Segundo ele, as pessoas transexuais podem optar pelo tratamento hormonal para adequar o seu corpo ao sexo psicológico. Os homens transexuais realizam, por exemplo, tratamento hormonal por meio do uso de testosterona. Existem várias formas diferentes de se usar testosterona, como injeções, gel, pílulas e implantes sob a pele. A forma mais comum é por injeções, já que elas fornecem mais facilmente quantidade suficiente de substâncias para que as mudanças físicas aconteçam.

"Já estou nessa luta pela garantia dos nossos direitos há um tempo. Atualmente, os homens trans lutam pelo direito a mudança do nome e para sanar a invisibilidade nos últimos anos. Precisamos de uma atenção à saúde dos homens trans desde o processo transexualizador até as outras transversalidades que dizem respeito à saúde integral. Somos homens e exigimos respeito a nossa identidade de gênero."

Momento difícil

Foi em 2011 que Alexandre revelou pela primeira vez a Bruna que ela era fruto de um estupro coletivo. "Minha filha sempre me questionava sobre quem era o pai dela, ela queria conhecer, não teve jeito, tive que contar o que aconteceu. Foi tenso, mas ao mesmo tempo a revelação nos uniu ainda mais. Bruna me agradeceu por ter seguido com a gravidez e ter trazido ela ao mundo", disse Xande emocionado.

A infância de Bruna também foi um aprendizado para Xande. Na escola, ela tinha de lidar com piadas dos colegas o tempo todo por ter um pai trans. "Uma vez a diretora me chamou na escola para dizer que minha filha precisava de um psicólogo, ela não entendia como a Bruna aceitava tão naturalmente o fato de ter um pai como eu. Foi um horror."

Sobre a relação com seu pai, Xande conta que não foi muito fácil, ele não aceitou a sua transição e até pediu para Xande não usar seu sobrenome. "Desde criança sempre quis ser o Alexandre Peixe dos Santos Júnior, eu era o filho primogênito e todos os primogênitos da minha família tinham o Júnior no nome. Só fui autorizado a usar o Peixe novamente em 2010, meses antes do meu pai morrer. Tivemos uma conversa e ele entendeu."

"Acho que a sociedade ainda não percebeu que nós, homens trans, somos os homens do futuro. Somos pessoas que não queremos praticar o machismo."

 

A chegada da neta

O nascimento da neta Mariana também é um momento marcante na vida de Xande. Sua filha Bruna decidiu ter um parto humanizado e Xande assistiu tudo de pertinho. "Foi emocionante e me sinto privilegiado por este momento. A Mariana é a alegria da casa.”

No Dia dos Pais, Xande, Bruna, Mariana, Celina e sua filha, vão estar juntos, como acontece tradicionalmente desde 2003, quando Bruna deixou de dar presente ao pai no Dia das Mães e passou a homenageá-lo no segundo domingo de agosto. “Acho que elas vão preparar um almoço ou vamos sair para passear, mas não decidimos ainda.”

"A Bruna mudou a minha trajetória, aprendi a amar de uma forma como nunca imaginei. Antes de ser trans, sou ser humano e a minha família foi construída com base nas relações humana.”

A mensagem de Xande para o Dia dos Pais é para que todos os pais tenham um excelente dia. “O nosso dia é todo dia. Desejo um feliz Dia dos Pais para todos os pais, não importa se são adotivos, se são pais trans, se são pais biológicos, o importante é a relação deles com os seus filhos. Tradicionalmente quem sempre cuidou dos filhos foram as mães, hoje os pais têm mais consciência que eles também fazem parte da vida desta criança.”

Leia a seguir a carta que Bruna escreveu em homenagem ao pai:

“Este homem que eu admiro tanto com todas suas virtudes e também com seus limites. Sempre alegre e brincalhão, mas também as vezes silencioso e pensativo. 

Homem de fé, de grande luta, sensível e generoso. Ele não é condutor de destinos, mas sim é o farol que aponta para um caminho de honestidade e de bem.

Você corajoso que desde pequeno mostrou suas verdades e enfrentou seus medos, os julgamentos com dignidade, garra e determinação.

Pai, meu grande amigo, conselheiro, mesmo as vezes eu fazendo ao contrário. És meu leal amigo.

Obrigado por me ensinar o que é o amor, por ensinar o quanto é importante o conhecimento, por estar sempre orientando meu caminho feito de lutas e incertezas, mas também de muita esperança e grandes sonhos.

Tudo que eu sou devo a você. Onde eu for você vai estar comigo, pai que mostrou, falou e acreditou que a fé remove qualquer pedra no caminho.

Pai, eu lhe dedico essa mensagem que é pouca comparada ao que você merece, mas que cada palavra dita aqui veio diretamente do meu para o seu coração.

Eu te amo!"

 

Dica de entrevista

Alexandre Peixe

E-mail:  diretoriaibrat@gmail.com

Bruna Peixe

E-mail: peixebruna@gmail.com

 

Talita Martins (talita@agenciaaids.com.br)