Sábado, 21 de Outubro de 2017

 
 
 


"A Agência Aids, com o Camarote Solidário, dá força às questões LGBT", diz Adele Benzaken, diretora do Departamento de Aids, durante a 15ª edição do evento. Confira outros homenageados"A Agência Aids, com o Camarote Solidário, dá força às questões LGBT", diz Adele Benzaken, diretora do Departamento de Aids, durante a 15ª edição do evento. Confira outros homenageados

18/06/2017 - 14h30

Para entrar no Camarote Solidário, o convidado doa alimentos não perecíveis que são entregues a ONGs voltadas para o cuidado de pessoas carentes vivendo com HIV/aids. Idealização de Roseli Tardelli, diretora desta Agência, mesmo quando o evento termina o trabalho não acaba. Afinal, tem uma equipe que recebe, separa e conta os alimentos arrecadados para que na mesma semana aconteça a distribuição para as ONGs.

Finalizamos a série dos homenageados agradecendo a parceria do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde; do Programa Estadual e Municipal de DST/Aids de São Paulo e seus respectivos profissionais; do coordenador municipal de Políticas para a Diversidade Sexual da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de SP Cássio Rodrigo; e do deputado federal Paulo Teixeira.

“A Agência Aids, com o Camarote Solidário, dá força às questões LGBT, mas, para além disso, aponta temas estruturais na resposta a epidemia da aids no Brasil. Com esse evento, mais uma vez, a Agência coloca o tema da aids na agenda e na pauta da mídia, que é sempre importante e que ela faz durante o ano inteiro. Tenho certeza que todo o jornalista que precisa fazer pesquisas sobre o HIV/aids consulta o site da Agêcia Aids antes,” diz Adele Benzaken, diretora do Departamento IST/Aids.

 

Adele Benzaken e equipe do Departamento IST/Aids

Adele Benzaken é diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde. Trabalha com IST e aids, desde 1983. Médica sanitarista e pesquisadora, Adele é graduada em Medicina pela Universidade Federal do Amazonas (1978), possui Doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz, foi diretora da Fundação de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta em Manaus (AM), no período de 2007 a 2010 e membro do “Painel de Especialistas em DST incluindo o HIV” da Organização Mundial de Saúde (OMS), de dezembro de 2008 a julho de 2013. No escritório do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids no Brasil ( Unaids), foi oficial da Agência de abril de 2012 a novembro de 2013.  Atuou também como assessora da Organização Pan-Americana para a Saúde (Opas).

Criado em 1986, o Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais tornou-se referência mundial no tratamento e atenção ao HIV/aids e outras infecções sexualmente transmissíveis. Ligado à Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, o Departamento trabalha para reduzir a transmissão do HIV/aids e das hepatites virais e promover a qualidade de vida dos pacientes.

 

Maria Clara, Artur Kalichman e Rosa Alencar do Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo

O trio formado pela sanitarista Maria Clara Gianna e infectologistas Artur Kalichman e Rosa Alencar comanda o Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo (PE-DST/Aids), berço das políticas de aids no Brasil, pioneiro nas ações de combate a aids e primeiro a oferecer atendimento especializado às vítimas da doença no início da epidemia. 

A coordenação do PE-DST/Aids é apoiada na estrutura do CRT (Centro de Referência e Treinamento DST/Aids SP), responsável pela implementação, articulação, supervisão e monitoramento das políticas e estratégias relativas às IST/Aids, nas áreas de prevenção, assistência e vigilância epidemiológica em todo o Estado de São Paulo. Só no CRT, o trio tem o desafio de coordenar 700 funcionários nos complexos ambulatorial e hospitalar.

A estrutura e a missão do CRT permite prover atendimento, criar e validar procedimentos preventivos e modelos de assistência, avaliar e levar adiante pesquisas clínicas e oferecer treinamentos com maior legitimidade diante dos profissionais e instituições do Estado. Este modelo organizacional é único no Brasil e na América Latina.

 

Na foto: Maria Cristina Abbate,  Artur Kalichman, Adele Benzaken, Maria Clara e Rosa Alencar (Marion Stein/Agência Aids)

 

Maria Cristina Abbate e Dr Robinson Camargo do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo

Maria Cristina Abbate é coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo. Robinson Camargo é infectologista e coordenador da área de Assistência do Programa. O Programa Municipal de DST /Aids é responsável pela assessoria técnica das políticas públicas destinadas à promoção, prevenção e assistência às Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e ao HIV/aids no município de São Paulo.

A Rede é composta por 26 serviços municipais especializados em IST, HIV e aids que oferecem orientações sobre prevenção, testes para diagnóstico do HIV, camisinhas masculinas e femininas e gel lubrificante. Os 16 serviços de assistência também oferecem Profilaxia Pós-Exposição, exames, consultas e tratamento para HIV/aids e coinfecções, inclusive hepatites virais.

 

Renato Girade

Com 20 anos de experiência na área de gestão e tecnologia da informação e comunicação com ênfase em gerência de equipes, Renato Girade é especialista em Informação e Informática em Saúde e mestre em Saúde Pública e Avaliação em Saúde. Foi coordenador geral na Gerência da área de Tecnologia da Informação e Planejamento Estratégico do Ministério da Saúde, consultor de Tecnologia de Informação no Unaids e atualmente é diretor administrativo no Departamento de IST/aids.

 

Cássio Rodrigo da Coordenação Municipal de Políticas para a Diversidade Sexual da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de SP (CPDS)

Jornalista, formado pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Cássio Rodrigo é o coordenador de Políticas para Diversidade Sexual da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania (SJDC) de São Paulo. Militante, desde 1995, pela causa dos LGBT, esteve no CAHEUSP (Centro Acadêmico de Estudos Homoeróticos da Universidade de São Paulo) e participou do EBGLT (Encontro Brasileiro de Gays, Lésbicas e Transgêneros) em 1997, quando o evento foi sediado em São Paulo.

Como jornalista, trabalhou na assessoria de imprensa do Gabinete do Prefeito, na assessoria Técnica-Legislativa e foi coordenador Geral da Diversidade Sexual da Prefeitura de São Paulo entre os anos de 2005 e 2009. Nesse período participou da capacitação e sensibilização dos Guardas Civis Metropolitanos para as questões dos direitos e cidadania da população LGBT na Cidade de São Paulo.

Palestrou, em 2006, na I Conferência Internacional de Direitos Humanos para LGBT, em Montreal sobre os temas de segurança pública e direitos dos homossexuais e dos movimentos de Paradas do Orgulho LGBT como ação política e social. Palestrou nas Conferências LGBT do Estado de Goiás e do Estado do Rio de Janeiro, em 2008.

Em 2009, assumiu o cargo de Diretor Adjunto do Departamento de Humanidades da Prefeitura de Santo André, trabalhando com a construção das políticas públicas para os segmentos sociais vulneráveis, como mulheres, idosos, juventude, pessoas com deficiência, população negra, cigana e indígena e comunidade LGBT. Em maio de 2010 assumiu o cargo de Diretor de Humanidades da Prefeitura de Santo André até 2011 e posteriormente foi assessor de Cultura para Gêneros e Etnias na Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

 

Deputado Paulo Teixeira

Luiz Paulo Teixeira Ferreira é vice-presidente do PT (Partido dos Trabalhadores) e deputado federal no terceiro mandato. Pelo sexto ano consecutivo está na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional segundo o DIAP (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar). Desde 2011, integra anualmente a lista dos melhores deputados do Brasil no Prêmio Congresso em Foco.

Paulo Teixeira foi reconhecido como uma das pessoas que mais colaboraram no combate à epidemia do HIV/aids, no ano de 2009, pelo trabalho na defesa do acesso universal aos medicamentos antiretrovirais, pelo Grupo de Trabalho em Propriedade Intelectual (GTPI) da Rebrip (Rede Brasileira pela Integração dos Povos),em 2009; homenageado pela implantação da Redução de Danos no Estado de São Paulo (Decreto Lei 42.927/98) da Coordenação Estadual de DST/Aids do Estado de São Paulo, em 2008; recebeu o Prêmio Paulo Bomfim de Políticas Públicas em HIV/AIDS, do Grupo de Apoio e Prevenção à Aids de  São Paulo, em 2000; também o Prêmio Sheila Contorpossi de Oliveira em Políticas Públicas em HIV/AIDS, em 1998; e foi Certificado de Mérito pelos serviços prestados,  pelo GIV – Grupo de Incentivo à Vida, São Paulo/SP (1996).

Ele é autor do Projeto de Lei que busca instituir o Imposto sobre Grandes Fortunas, previsto na Constituição Federal de 1988. Do Projeto de Lei que determina a investigação de todas as mortes praticadas por agentes de Estado, inclusive policiais, mesmo quando o homicídio foi registrado como "auto de resistência" ou "resistência seguida de morte". Ativista da liberdade na rede. Defensor do software livre e da democratização da comunicação. Atuante na discussão do Marco Civil da Internet e autor do Projeto de Lei que tipifica crimes digitais. Autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Moradia Digna e do PL que cria o Serviço de Moradia Social.

Foto: Paulo Pereira/Agência Aids

 

O Camarote Solidário 2017 é uma realização da Agência de Notícias da Aids em parceria com o Condomínio Conjunto Nacional e tem o apoio do Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais, da Gilead, da Merck, da DKT do Brasil, da JP Miguel Engenharia e da Associação Paulista Viva.

 

Dica de entrevista

Roseli Tardelli

Tel.: (11) 3287-6933

 

Redação da Agência de Notícias da Aids