Quinta-feira, 22 de Junho de 2017

 
 
 


Confira depoimentos dos convidados que passaram pelo Camarote SolidárioConfira depoimentos dos convidados que passaram pelo Camarote Solidário

18/06/2017 – 18h10

 Foto: Paulo Pereira / Agência Aids - Vista do Camarote Solidário 

 

Artistas e gestores de saúde também passaram pelo Camarote Solidário, neste domingo (18). O evento se soma a 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Confira:

 

Ricardo Zuniga, cônsul-geral dos Estados Unidos em São Paulo: “O Camarote Solidário é um exemplo de um compromisso de muitos anos com parte da nossa sociedade que merece apoio e  defesa de todos nós.”

 

Adele Benzaken, diretora do Departamento de HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DIAHV): “A Agência Aids, com o Camarote Solidário, dá força às questões LGBT, mas, para além disso, aponta temas estruturais na resposta a epidemia da aids no Brasil. Com esse evento, mais uma vez, a Agência coloca o tema da aids na agenda e na pauta da mídia, que é sempre importante e que ela faz durante o ano inteiro.”

 

Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual de DST / AIDS de São Paulo:“O Camarote nesses 15 anos foi um ponto de encontro muito importante de todos nós durante a Parada do Orgulho LGBT. Trouxe, sem dúvida nenhuma, a pauta da prevenção do HIV/aids durante esses anos. Arrecada mantimentos para várias ONGs e trabalha de forma impactante na questão do HIV/aids.”

 

 

Maria Cristina Abbate, coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo: “O camarote sempre foi, ao longo desses anos, um espaço de reunião de pessoas que têm compromisso com a diversidade, com o respeito e a defesa aos direitos humanos. Nós agregamos a questão da prevenção à aids também nesse mesmo cenário de defesa de direitos. O camarote é um espaço gostoso, fraterno, alegre e descontraído que reúne pessoas de diferentes setores, seja da gestão pública, das ONGs ou empresas. Aqui temos esse momento de congraçamento e de reforço dos nossos ideais de uma forma bastante amistosa.”

 

 

Eduardo Suplicy, vereador de São Paulo: “A convite de Roseli Tardelli, vim comemorar os 15 anos do Camarote Solidário, neste dia da Parada LGBT que, pelo que estou observando, é a maior que houve até o momento. Participo da Parada desde os anos 1990, e nunca esteve tão lotada. É um sinal do apreço da população na causa de que todas as pessoas têm que ser respeitadas, não importa sua origem, raça, sexo, idade, condição civil, socioeconômica ou orientação sexual. Todos temos que respeitar cada um.”

 

 

Eduardo Luiz Barbosa, coordenador do Centro de Referência e Defesa da Diversidade: “Acompanho o Camarote desde a sua criação. A importância dele é reunir várias lideranças e personalidades, que acabam contribuindo com o enfrentamento da epidemia de HIV/aids. É um momento de lazer e descontração, mas também de encontrar pessoas que são parceiras ao longo da luta contra a epidemia.”

 

 

Gabriel Estrela, idealizador do Projeto Boa Sorte: “O Camarote se mantém como uma tradição muito boa da nossa comunidade LGBT, que é a de manifestar e de se politizar em forma de celebração e comemoração. Então, é muito coerente, pois é uma festa, mas que você entra através de um gesto solidário. É um tipo de iniciativa que a gente precisa ter cada vez mais.”

 

 

Maria Bia, atriz: “Já é o quinto ano que eu venho no Camarote Solidário, muito por conta da Roseli Tardelli, pois eu já conheço o seu trabalho na Agência Aids. Estou sempre aqui para apoia-la em todos os projetos. O Camarote é mais um dos vários projetos que a Roseli faz e estou sempre prestigiando. O Camarote é a parte de um todo, uma festa, mas também é solidariedade, pois arrecada alimentos para ONGs/aids.”

 

Daniele Salemme, professora de educação física: “Iniciativas como o Camarote são essenciais. Precisamos de alguém que esteja à frente, que seja engajado e de muita representatividade cada dia mais. Acho muito importante ter gente tomando iniciativas para que consigamos viver melhor.”

Bruna Cicerelli Salemme, consultora técnica: “O Camarote é uma iniciativa super importante. As pessoas pensam que a aids não atinge mais como atingia antigamente. Então, é uma iniciativa muito bacana  para conscientização sobre essa questão. Tem que continuar.”

 

 

Larissa Mendes, estudante de Engenharia Civil e integrante do Coletivo PoliPride: “É muito significativo ter gente se mobilizando. Há pessoas em um meio privilegiado, tendo acesso a coisas que outras não têm e é por isso que temos que lutar principalmente pelo acesso à informação à prevenção.”

 

 

Almir Cardoso, produtor de eventos: “Acho o Camarote maravilhoso. Ele dá visibilidade para a causa da aids. O diferencial dele é o investimento e a luta pela causa.”

 

 

Leandro Resende, gestor do Teatro Municipal João Caetano: “É muito importante esse trabalho feito com as ONGs de maneira contínua. Eu sinto muita disparidade entre as informações antigas e novas sobre a questão do HIV. Então, no Camarote Solidário, dá pra gente conversar e atualizar essas coisas. E também de assistir a Parada LGBT com uma vista privilegiada.”

 

 

Lufe Steffen, cineasta: “A Parada LGBT é sempre acusada de ser só festa, só carnaval, as pessoas só olham esse lado. Mas, ao mesmo tempo, há várias ações acontecendo simultaneamente, como o Camarote Solidário. Adorei chegar hoje e ver as pessoas trazendo os alimentos para doar. Foi lindo. A mídia precisa dar mais visibilidade para ações como essa.”

 

 

Betina Polaroid, drag queen e fotógrafa: “O Camarote Solidário, além de um oásis de diversidade nessa Parada LGBT maravilhosa, é uma iniciativa incrível para motivar a empatia e a solidariedade. Temos que lembrar que esse evento também é político, assim como ‘drag queen’ é uma arte política.”

 

 

O Camarote Solidário 2017 é uma realização da Agência de Notícias da Aids em parceria com o Condomínio Conjunto Nacional e tem o apoio do Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais, da Gilead, da Merck, da DKT do Brasil, da JP Miguel Engenharia e da Associação Paulista Viva.

 

Dica de entrevista

Roseli Tardelli

Tel.: (11) 3287-6933

 

Redação da Agência de Notícias da Aids