Quinta-feira, 22 de Junho de 2017

 
 
 


MÊS DA MULHER: Alicia Keys investe em uma organização HIV/aids que atende mais de 70 mil pessoas por anoMÊS DA MULHER: Alicia Keys investe em uma organização HIV/aids que atende mais de 70 mil pessoas por ano

20/03/2017 – 14h30

Alicia Keys era uma garotinha quando foi impactada pela aids pela primeira vez. “Um amigo da minha mãe morreu em decorrência da aids. Eu acho que eu tinha 8 ou 9 anos. Eu já tinha idade para saber que ele não estava mais lá e perguntar por ele. Minha mãe, é claro, nunca soube me explicar realmente o que isso significava”, disse a cantora em entrevista à revista “People”. Mas, foi depois de ver a situação da aids na África que Alicia Keys "nunca mais foi a mesma".

Mantenha uma criança viva

A cantora do hit “Girl on Fire” é co-fundadora da Keep a Child Alive (KCA - Mantenha Uma Criança Viva, tradução em português), uma organização filantrópica dedicada a fornecer cuidados, focados na  saúde, de pacientes pobres infectados com HIV/aids que não podem comprar medicação.

A KCA foi fundada, em 2003, pela ativista Leigh Blake e pela vencedora do Prêmio Grammy 15 vezes, Alicia Keys (as duas na todo abaixo). A organização nasce como um empurrão de emergência para obter remédios para as pessoas que vivem com HIV/aids na África e morrem pela falta dos medicamentos. Alicia, de 36 anos, credita a Leigh o fato de ter aberto os olhos para esse problema.

"A MTV me convidou para fazer um programa chamado “Staying Alive” na África do Sul, no qual eles falaram sobre a questão da aids", contou. "Leigh e eu visitamos clínicas onde mulheres estavam grávidas ou tinham acabado de dar à luz a bebês infectados pelo HIV. Na época, muitas mulheres não sabiam que se você é positiva e amamenta o seu bebê, o bebê contrai o vírus. As mães só queriam remédios para mantê-los vivos.”

Depois que conviveu com pessoas que estavam morrendo em decorrência da aids na África, ela afirma que negar remédios a pessoas pobres e doentes é uma grande injustiça.

"Essa foi a primeira vez, quando eu tinha 20 anos, que eu tive consciência da injustiça. Eu pensei: 'Como pode algo estar disponível, mas você não pode tê-lo porque você é pobre?' Eu só senti que era uma sentença de morte. Foi isso que me indignou e me motivou. Quando voltei, nunca mais fui a mesma”.

A cantora é a anfitriã do evento de angariação de fundos chamado “Black Ball”, da KCA, que acontece anualmente. Em 2014, ela arrecadou US$ 2,4 milhões para a instituição através do luxuoso evento. Keys acredita que fornecer às pessoas o medicamento que elas precisam para sobreviver é muito gratificante.

"Desde que começamos até agora conseguimos atender 300 mil pessoas", disse ela. "Isso não sou só eu, mas todos aqueles que doaram qualquer quantia em dinheiro, que vendeu limonada em sua escola para arrecadar fundos e qualquer faculdade que conscientiza seus alunos de como isso é importante, eu só sou parte disso. Essa é uma mensagem que também deve ser passada: as histórias não são todas de horror.”

Hoje, ela e Leigh continuam trabalhando na linha de frente na luta contra a aids, fornecendo os componentes necessários para apoiar um tratamento bem sucedido e duradouro do HIV, com atendimento clínico abrangente, alimentação adequada e apoio psicossocial, tudo com dignidade e respeito.

 A organização também aborda os fatores sociais e econômicos que alimentam esta epidemia e atrapalham a prevenção e o tratamento, como a pobreza, a falta de educação, o estigma, a discriminação e o isolamento.

"É importante falar com nossos filhos sobre ter compaixão e não estigmatizar as pessoas que estão infectadas ou afetadas pela aids," ressaltou Keys.

Atualmente, a instituição fornece apoio financeiro e estratégico a 7 organizações de base no Quênia, Ruanda, África do Sul, Uganda e Índia, atendendo mais de 70.000 pessoas por ano.

Sobre a artista Alicia Keys

Nascida em 1981, em Nova York, Alicia Augello-Cook, a artista Alicia Keys, começou aulas de piano aos 7 anos. Depois de se formar na Professional Performance Arts School, assinou um contrato com Clive Davis, diretor da Arista Records. Davis deixou a Arista para iniciar a J Records e Keys o seguiu. Seu álbum de estréia “Songs in A Minor” (2001) foi platina cinco vezes e ganhou cinco Grammys.

Ela continuou sua carreira com álbuns de sucesso como “The Diary of Alicia Keys” (2003), “As I Am” (2007), “Girl on Fire” (2009) e “The Element of Freedom” (2009), ganhando prêmios e Grammy por todos eles. Seu recente disco, “Here”, foi lançado em 2016. Iniciou no mundo do cinema, em 2007, com a comédia de ação “Smokin' Aces” e “The Nanny Diaries”, ao lado de Scarlett Johansson. Em 2008, protagonizou o filme “The Secret Life of Bee”s ao lado das estrelas da música, Jennifer Hudson e Queen Latifah.

Em 2016, foi incluída na lista de 100 mulheres mais inspiradoras e influentes pela BBC.

 

Tradução: Mauricio Barreira (mauricio@agenciaaids.com.br)

Com informações da revista “People” e da Keep a Children Alive

 

Veja outros perfis da nossa série

Graça Machel uma referência internacional na luta pelos direitos das crianças e mulheres

Sharon Stone, uma defensora das pesquisas sobre a aids

Madonna, a Rainha Pop que usa sua popularidade para falar sobre a prevenção da aids

O ativo papel da princesa Diana na conscientização sobre a aids

A herança que Elisabeth Taylor deixou para a luta contra a aids