Sexta-feira, 21 de Julho de 2017

 
 
 


Anaids emite nota manifestando preocupação com troca no Ministério da SaúdeAnaids emite nota manifestando preocupação com troca no Ministério da Saúde

24/09/2015 - 16h30

A decisão do governo de trocar o ministro da Saúde, Artur Chioro (PT), por um nome do PMDB, deixou preocupados os ativistas dos movimentos de aids. Antes mesmo de a presidenta Dilma Rousseff anunciar o nome escolhido para a pasta, a Anaids (Articulação Nacional de Luta Contra a Aids) decidiu emitir nesta quinta-feira (25) uma nota manifestando a preocupação com as políticas futuras voltadas para os soropositivos. Leia a nota na íntegra:

Nota Anaids sobre a mudança de comando no Ministério da Saúde

           Assistimos chocados às notícias que nos chegam sobre o balcão de negócios em que se transformou a Esplanada dos Ministérios, em busca de apoio político ao atual governo.  Atentos às repercussões desta operação junto ao Ministério da Saúde, a Articulação Nacional de Luta contra a Aids (Anaids) vem, através desta nota, expressar sua preocupação com o andamento dos acontecimentos e pontuar alguns itens que considera fundamental para a garantia da saúde como direito de todos, conforme preceito constitucional.

         Independentemente do nome que ocupe o cargo de ministro da Saúde, é fundamental o compromisso com o SUS (Sistema Único de Saúde) como sistema universal, que carece de apoio político e efetiva construção constante em sua grandiosidade.

         Atento às evidências científicas e em sintonia com a realidade dos preconceitos e das exclusões, as ações de saúde devem levar em conta os princípios dos direitos humanos, obedecendo aos ditames legais do estado laico e a promoção do diálogo amplo com a sociedade civil organizada e os conselhos de saúde.

      Além do compromisso partidário, entendemos que o comprometimento maior com a qualidade da saúde pública deve vir acompanhado de ações de transparência, de entendimento amplo das ações de promoção de saúde e de valorização dos recursos humanos.

    No tocante às ações voltadas para HIV/aids e hepatites virais,  esperamos que a nova condução do Ministério da Saúde saiba resgatar as relações com os movimentos sociais, drasticamente abaladas na última direção. Além disto, se faz importante uma aproximação maior da direção do Departamento de DST/Aids do Ministério da Saúde com as instâncias de controle social, sobretudo o Conselho Nacional de Saúde, na busca de soluções amplas para um problema que vitima anualmente mais de 12 mil pessoas.

        Mais do que ações medicamentosas e restritivas, esperamos que os novos dirigentes sejam sensíveis às mudanças de perfil das pessoas infectadas, que se apresentam de forma gritante, sobretudo agregando esforços junto a outras áreas do governo federal como educação, direitos humanos, assistência social, trabalho e renda e relações internacionais.

          “Saúde é direito de todos e dever do Estado”, não oportunidade de exercício de poder ou ocasião de escambo político partidário que reverta em vantagem para poucos em detrimento do sofrimento de muitos.

 

 Articulação Nacional de Luta Contra a Aids -- Anaids